Tag Archives: Fabiana Conde Klann

Supervisão Para Fonoaudiólogos - Método Padovan

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um distúrbio neurobiológico, com predisposição genética, que acomete, geralmente, crianças em idade escolar. A incidência é maior no gênero masculino.

Como a própria definição designa, as dificuldades mais evidentes são: falta de atenção, hiperatividade e distúrbios do comportamento com impulsividade.

Há uma grande dificuldade em manter o foco em atividades, bem como em tolerar ou esperar por algo. Adicionalmente, é desafiador manter-se quieto em um mesmo lugar e desenvolver senso crítico. Essas dificuldades estão frequentemente associadas a uma baixa produtividade no desempenho escolar ou no trabalho. Além disso, surgem dificuldades em respeitar as prioridades das tarefas do dia-a-dia.

O desenvolvimento da fala é mais lento para aqueles com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), o que pode levar a alterações na articulação dos fonemas. Além disso, a coordenação motora tende a ser inadequada, e a noção temporoespacial é frequentemente comprometida. Outro ponto a ser considerado é que, geralmente, os detalhes passam desapercebidos.

Os sinais aparecem na infância e, geralmente, perduram por toda vida.

Há classificações diferentes do TDAH, são elas:

  • Predomínio da Hiperatividade: São inquietos, impacientes, impulsivos e falam muito. Na adolescência e na vida adulta há pouca ocorrência de hiperatividade.
  • Tipo misto – Predomínio de desatenção: Dificuldade em: se concentrar, atender comandos simples, realizar atividades com organização, iniciar e finalizar uma tarefa.

Características gerais:

  • São mais distraídos
  • Esquecem onde deixaram as coisas
  • Esquecem o que estavam fazendo
  • Não se atém à detalhes
  • Erros são frequentes (prejuízo na aprendizagem e no desempenho do trabalho)

Em relação à socialização:

  • São mal tolerados pela família
  • Excluídos de grupos
  • Baixa estima

As causas do TDAH podem ter diversas origens:

  • Hereditárias/genéticas
  • Neuroanatômicas
  • Substâncias ingeridas pela mãe na gravidez
  • Sofrimento fetal
  • Intoxicação por metais pesados

O diagnóstico é feito clinicamente por um médico pediatra, neurologista ou psiquiatra, e geralmente envolve uma avaliação abrangente. O tratamento, por sua vez, pode requerer a colaboração de profissionais de diversas áreas, como fonoaudiólogos e psicólogos. Em certos casos, pode-se optar por uma intervenção medicamentosa complementar, dependendo das necessidades específicas do paciente.

O trabalho com a abordagem fonoaudiológica, pelo Método Padovan, tem como objetivos e resultados:

  • Coordenação motora adequada
  • Melhora na atenção e concentração
  • Compreensão e agilidade no atendimento a comandos simples
  • Organização temporoespacial
  • Tolerância a esperar por algo ou alguém
  • Adequação na articulação e produção de fala e linguagem
  • Organização na realização de atividades
  • Boa produtividade e rendimento escolar/trabalho

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

Disgrafia - Alterações no Processo de Aprendizagem

Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem

Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem

A Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem, é uma alteração específica, que ocorre no processo de aprendizagem, relacionada à escrita, especificamente à caligrafia.

Tal alteração pode tornar a escrita ilegível e/ou de difícil compreensão. Geralmente a letra desses pacientes tem um traçado irregular, além de haver uma desorganização importante na delimitação do espaço do papel.

Pode haver dificuldade nas regras ortográficas, na coerência textual ou na clareza das ideias do texto produzido.

Pacientes que apresentam disgrafia, podem ter muitas dificuldades para realizar atividades manuais no geral, devido a incoordenação motora global.

Como causas da disgrafia, temos:

Imaturidade da motricidade global e fina

Alterações no equilíbrio e de lateralidade

Dificuldades na estruturação espaço temporal

Instrumentos/processos pedagógicos inadequados

Alterações na coordenação visomotora

 

O trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan vai ter como resultados:

Melhoras na coordenação motora global e motora fina

Letra legível

Adequação no equilíbrio e nas funções de lateralidade, na noção de espaço temporal e na coordenação visomotora

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

 

Doença de Huntington

Doença de Huntington – Genética, Degenerativa e Hereditária

A Doença de Huntington, uma patologia genética, degenerativa e hereditária, pode afetar ambos os gêneros (feminino e masculino).

Além disso, é conhecida como Coreia de Huntington, devido ao fato de que um dos primeiros sintomas é a coreia, caracterizada por movimentos involuntários que se intensificam à medida que a doença progride.

Principais sintomas:

  • Dificuldade na marcha/andar
  • Alterações no equilíbrio
  • Alterações nas habilidades manuais: movimentos involuntários e rigidez
  • Alterações no processo da deglutição: engasgos muito frequentes
  • Disfagia
  • Alterações na articulação e velocidade da fala
  • As funções que requerem concentração e memória são afetadas
  • Pode ocorrer alteração de humor

Os sintomas podem surgir antes dos 20 anos, no entanto, é mais comum que se manifestem a partir dos 40 anos de idade

É importante ressaltar que a Doença de Huntington não possui cura. No entanto, o trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan desempenha um papel crucial na gestão dos sinais e sintomas apresentados pelos pacientes. Esse tipo de intervenção não apenas ajuda a mitigar os efeitos da doença, mas também desacelera sua progressão, proporcionando uma melhor qualidade de vida ao paciente..

Além disso, é válido destacar que o trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan contribui significativamente para o prognóstico do paciente, oferecendo esperança e melhora contínua em sua condição.

  • Diminuição dos movimentos involuntários
  • Equilíbrio e boa estruturação para marcha mais adequada
  • Controle voluntário dos movimentos manuais
  • Melhor controle do processo da deglutição
  • Produção de fala com melhor articulação e ritmo adequado
  • Capacidades de atenção, concentração e memória têm seus quadros com melhoras significativas.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

A Doença de Alzheimer e o Método Padovan

A Doença de Alzheimer

No Brasil há cerca de 1,2 milhão de pessoas diagnosticadas com a Doença de Alzheimer.
A doença, descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra alemão Aloysius Alzheimer (1864-1915), se apresenta como demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais.

Importância do Diagnóstico

Quando diagnosticada no início, é possível retardar o avanço da Doença de Alzheimer e ter mais controle sobre os sintomas, o que garante uma melhor qualidade de vida tanto para o paciente quanto para a família. Apesar de ser caracterizada pela piora progressiva dos sintomas, é importante destacar que muitos pacientes podem apresentar períodos de maior estabilidade ao longo do tempo.

Fases da Doença de Alzheimer

A evolução dos sintomas da Doença de Alzheimer pode ser dividida em três fases distintas: leve, moderada e grave. Durante cada uma dessas fases, os sintomas e os desafios enfrentados pelos pacientes e seus cuidadores podem variar significativamente.

Fase leve da Doença de Alzheimer

Na fase leve da Doença de Alzheimer, é comum observar alterações como perda de memória recente, dificuldade para encontrar palavras e desorientação no tempo e no espaço. Além disso, os pacientes podem enfrentar dificuldade para tomar decisões, perda de iniciativa e motivação, bem como sinais de depressão e agressividade. Outros sintomas incluem a diminuição do interesse por atividades e passatempos usuais.

Fase moderada da Doença de Alzheimer

Na fase moderada da Doença de Alzheimer, tornam-se mais evidentes as dificuldades com atividades cotidianas. É comum observar um prejuízo significativo na memória, incluindo esquecimento de fatos importantes e nomes de pessoas próximas. Além disso, os pacientes podem apresentar incapacidade para viver sozinhos, realizar tarefas básicas como cozinhar e cuidar da casa, e até mesmo fazer compras.

Nesta fase, a dependência de outras pessoas se torna mais acentuada, com a necessidade de assistência para a higiene pessoal e autocuidados. A comunicação também é afetada, manifestando-se como uma maior dificuldade para falar e se expressar com clareza. Alterações de comportamento, como agressividade, irritabilidade e inquietação, tornam-se mais frequentes.

Além disso, podem surgir ideias sem sentido, como desconfiança e ciúmes, e até mesmo alucinações, como ver pessoas ou ouvir vozes de indivíduos que não estão presentes. Esses sintomas adicionais podem aumentar o desafio de lidar com a doença tanto para o paciente quanto para seus cuidadores.

Fase grave da Doença de Alzheimer

E já na fase grave da Doença de Alzheimer, tornam-se evidentes prejuízos ainda mais graves na memória. Os pacientes apresentam uma incapacidade quase total de registrar novas informações e uma dificuldade extrema na recuperação de dados antigos. Isso se reflete no reconhecimento de parentes, amigos e locais conhecidos.

Além disso, surgem desafios adicionais, como a dificuldade para se alimentar, muitas vezes associada a problemas de deglutição. A compreensão do que acontece ao redor do paciente torna-se extremamente difícil, assim como a orientação dentro de casa.

Nesta fase avançada, é comum ocorrer incontinência urinária e fecal, adicionando mais complicações ao quadro clínico. Também é observada uma intensificação de comportamentos inadequados, o que pode tornar ainda mais desafiadora a prestação de cuidados ao paciente.

Há tendência de prejuízo motor, que interfere na capacidade de locomoção, sendo necessário auxílio para caminhar. Posteriormente, o paciente pode necessitar de cadeira de rodas ou ficar acamado.

Obs.: essa divisão em fases tem caráter meramente didático e, muitas vezes, sintomas classificados em diferentes fases se mesclam em um mesmo período.
Tratamento:

Os Avanços da Medicina

As pesquisas têm progredido na compreensão dos mecanismos que causam a doença e no desenvolvimento de drogas para o seu tratamento, cujos objetivos são aliviar os sintomas existentes, estabilizando-os ou, ao menos, permitindo que boa parte dos pacientes tenha uma progressão mais lenta da doença, conseguindo manter-se independentes nas atividades da vida diária por mais tempo. Um outro objetivo importante é melhorar a qualidade de vida do paciente. Os avanços da medicina têm permitido que os pacientes tenham uma sobrevida maior e uma qualidade de vida melhor, mesmo na fase grave da doença, porém, não existe cura para a Doença de Alzheimer.

Especialistas podem indicar apoio em cada fase da doença para minimizar problemas, orientar a família, favorecer a superação de perdas e enfrentar o processo de adoecimento, mantendo qualidade de contato e relacionamento. Muitos profissionais cuidam de pessoas com Doença de Alzheimer, incluindo médicos, como neurologistas, geriatras, psiquiatras ou clínicos gerais, além de outros profissionais de saúde, como psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, educadores, educadores físicos, assistentes sociais e dentistas.

Método Padovan e a Doença de Alzheimer

O Método Padovan desempenha um papel crucial no trabalho de estimulação Neurofuncional, contribuindo significativamente para uma melhor integração sináptica. Por meio da recapitulação das fases do desenvolvimento, o método proporciona ao paciente melhorias nos comandos motores, tanto globais quanto finos, assim como na marcha e no equilíbrio. Além disso, visa aprimorar as Funções Reflexo-vegetativas-orais, incluindo a respiração, sucção, mastigação e deglutição, além da fala e linguagem.

Adicionalmente, o Método Padovan também se concentra no aprimoramento da atenção, concentração e memória do paciente, abordando aspectos essenciais para a qualidade de vida e independência. Ao proporcionar uma abordagem abrangente e integrada, o método visa não apenas mitigar os sintomas, mas também promover o bem-estar geral do indivíduo.

Fontes:
Alheimer’s Disease International – ADI https://www.alz.co.uk/

Associação Brasileira de Alzheimer http://abraz.org.br/web

Federação Médica Brasileira http://portalfmb.org.br/2017/09/21/21-de-setembro-dia-mundial-da-doenca-de-alzheimer/

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

Beatriz Padovan curiosidade vontade ajudar

Beatriz Padovan: Da curiosidade à vontade de ajudar

Nesta entrevista, a autora do Método Padovan, a fonoaudióloga Beatriz Padovan, nos conta um pouco da história de sua caminhada e como criou o Método.

Gratidão à minha mestra desde a infância, por poder ser um de seus “tentáculos”.

Para ler a entrevista, clique aqui.

Fga. Fabiana Conde Klann

https://fonoaudiologafabiana.com.br/metodo-padovan/