Tag Archives: MÉTODO PADOVAN

Fga. Fabiana Conde Klann - Gagueira

Como curar a Gagueira?

Como curar a Gagueira?

A Gagueira afeta o processo neuromotor que controla a fala, resultando em repetições de sons e sílabas ou pausas involuntárias ao falar, o que, por sua vez, prejudica a compreensão do diálogo com o interlocutor e, consequentemente, a comunicação verbal. Essa condição tem uma forte ligação com a função da Respiração, especialmente com o timing da expiração. Geralmente, afeta principalmente crianças até os 6 anos, sendo mais comum em meninos.

Além disso, entre 2 e 4 anos, é comum ocorrer uma disfluência considerada normal no desenvolvimento da fala. No entanto, se essa disfluência persistir em idades mais avançadas, ela torna-se considerada patológica.

Adicionalmente, é notável que pacientes com Gagueira geralmente mantêm uma fluência satisfatória ao cantar ou recitar poesias, pois as letras das músicas ou estrofes dos poemas são familiares, e o ritmo e melodia ajudam a evitar a disfluência. Nessas situações, a respiração está mais sincronizada, resultando em uma fluência melhorada da fala e menos gagueira.

Diante disso, surge a pergunta: como tratar a gagueira?

Uma resposta eficaz seria o tratamento fonoaudiológico utilizando o Método Padovan, que se mostra muito eficaz para pacientes com gagueira. Os principais requisitos para um bom prognóstico são: iniciar o tratamento logo após detectar a condição e realizar as sessões exclusivamente presenciais.

Por fim, é importante ressaltar que o Método Padovan de Reorganização Neurofuncional não apenas realinha e reestrutura funções pré-linguísticas como Respiração, Sucção, Mastigação e Deglutição, mas também concentra-se na estimulação diafragmática, na musculatura corporal geral e na estimulação neural de cada paciente.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

Supervisão Para Fonoaudiólogos - Método Padovan

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH

O Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH) é um distúrbio neurobiológico, com predisposição genética, que acomete, geralmente, crianças em idade escolar. A incidência é maior no gênero masculino.

Como a própria definição designa, as dificuldades mais evidentes são: falta de atenção, hiperatividade e distúrbios do comportamento com impulsividade.

Há uma grande dificuldade em manter o foco em atividades, bem como em tolerar ou esperar por algo. Adicionalmente, é desafiador manter-se quieto em um mesmo lugar e desenvolver senso crítico. Essas dificuldades estão frequentemente associadas a uma baixa produtividade no desempenho escolar ou no trabalho. Além disso, surgem dificuldades em respeitar as prioridades das tarefas do dia-a-dia.

O desenvolvimento da fala é mais lento para aqueles com o Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH), o que pode levar a alterações na articulação dos fonemas. Além disso, a coordenação motora tende a ser inadequada, e a noção temporoespacial é frequentemente comprometida. Outro ponto a ser considerado é que, geralmente, os detalhes passam desapercebidos.

Os sinais aparecem na infância e, geralmente, perduram por toda vida.

Há classificações diferentes do TDAH, são elas:

  • Predomínio da Hiperatividade: São inquietos, impacientes, impulsivos e falam muito. Na adolescência e na vida adulta há pouca ocorrência de hiperatividade.
  • Tipo misto – Predomínio de desatenção: Dificuldade em: se concentrar, atender comandos simples, realizar atividades com organização, iniciar e finalizar uma tarefa.

Características gerais:

  • São mais distraídos
  • Esquecem onde deixaram as coisas
  • Esquecem o que estavam fazendo
  • Não se atém à detalhes
  • Erros são frequentes (prejuízo na aprendizagem e no desempenho do trabalho)

Em relação à socialização:

  • São mal tolerados pela família
  • Excluídos de grupos
  • Baixa estima

As causas do TDAH podem ter diversas origens:

  • Hereditárias/genéticas
  • Neuroanatômicas
  • Substâncias ingeridas pela mãe na gravidez
  • Sofrimento fetal
  • Intoxicação por metais pesados

O diagnóstico é feito clinicamente por um médico pediatra, neurologista ou psiquiatra, e geralmente envolve uma avaliação abrangente. O tratamento, por sua vez, pode requerer a colaboração de profissionais de diversas áreas, como fonoaudiólogos e psicólogos. Em certos casos, pode-se optar por uma intervenção medicamentosa complementar, dependendo das necessidades específicas do paciente.

O trabalho com a abordagem fonoaudiológica, pelo Método Padovan, tem como objetivos e resultados:

  • Coordenação motora adequada
  • Melhora na atenção e concentração
  • Compreensão e agilidade no atendimento a comandos simples
  • Organização temporoespacial
  • Tolerância a esperar por algo ou alguém
  • Adequação na articulação e produção de fala e linguagem
  • Organização na realização de atividades
  • Boa produtividade e rendimento escolar/trabalho

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

Disgrafia - Alterações no Processo de Aprendizagem

Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem

Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem

A Disgrafia – Alterações no Processo de Aprendizagem, é uma alteração específica, que ocorre no processo de aprendizagem, relacionada à escrita, especificamente à caligrafia.

Tal alteração pode tornar a escrita ilegível e/ou de difícil compreensão. Geralmente a letra desses pacientes tem um traçado irregular, além de haver uma desorganização importante na delimitação do espaço do papel.

Pode haver dificuldade nas regras ortográficas, na coerência textual ou na clareza das ideias do texto produzido.

Pacientes que apresentam disgrafia, podem ter muitas dificuldades para realizar atividades manuais no geral, devido a incoordenação motora global.

Como causas da disgrafia, temos:

Imaturidade da motricidade global e fina

Alterações no equilíbrio e de lateralidade

Dificuldades na estruturação espaço temporal

Instrumentos/processos pedagógicos inadequados

Alterações na coordenação visomotora

 

O trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan vai ter como resultados:

Melhoras na coordenação motora global e motora fina

Letra legível

Adequação no equilíbrio e nas funções de lateralidade, na noção de espaço temporal e na coordenação visomotora

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

 

Doença de Huntington

Doença de Huntington – Genética, Degenerativa e Hereditária

A Doença de Huntington, uma patologia genética, degenerativa e hereditária, pode afetar ambos os gêneros (feminino e masculino).

Além disso, é conhecida como Coreia de Huntington, devido ao fato de que um dos primeiros sintomas é a coreia, caracterizada por movimentos involuntários que se intensificam à medida que a doença progride.

Principais sintomas:

  • Dificuldade na marcha/andar
  • Alterações no equilíbrio
  • Alterações nas habilidades manuais: movimentos involuntários e rigidez
  • Alterações no processo da deglutição: engasgos muito frequentes
  • Disfagia
  • Alterações na articulação e velocidade da fala
  • As funções que requerem concentração e memória são afetadas
  • Pode ocorrer alteração de humor

Os sintomas podem surgir antes dos 20 anos, no entanto, é mais comum que se manifestem a partir dos 40 anos de idade

É importante ressaltar que a Doença de Huntington não possui cura. No entanto, o trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan desempenha um papel crucial na gestão dos sinais e sintomas apresentados pelos pacientes. Esse tipo de intervenção não apenas ajuda a mitigar os efeitos da doença, mas também desacelera sua progressão, proporcionando uma melhor qualidade de vida ao paciente..

Além disso, é válido destacar que o trabalho fonoaudiológico com o Método Padovan contribui significativamente para o prognóstico do paciente, oferecendo esperança e melhora contínua em sua condição.

  • Diminuição dos movimentos involuntários
  • Equilíbrio e boa estruturação para marcha mais adequada
  • Controle voluntário dos movimentos manuais
  • Melhor controle do processo da deglutição
  • Produção de fala com melhor articulação e ritmo adequado
  • Capacidades de atenção, concentração e memória têm seus quadros com melhoras significativas.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

https://fonoaudiologafabiana.com.br/patologias-tratadas-metodo-padovan/

A Doença de Alzheimer e o Método Padovan

A Doença de Alzheimer

No Brasil há cerca de 1,2 milhão de pessoas diagnosticadas com a Doença de Alzheimer.
A doença, descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra alemão Aloysius Alzheimer (1864-1915), se apresenta como demência ou perda de funções cognitivas (memória, orientação, atenção e linguagem), causada pela morte de células cerebrais.

Importância do Diagnóstico

Quando diagnosticada no início, é possível retardar o avanço da Doença de Alzheimer e ter mais controle sobre os sintomas, o que garante uma melhor qualidade de vida tanto para o paciente quanto para a família. Apesar de ser caracterizada pela piora progressiva dos sintomas, é importante destacar que muitos pacientes podem apresentar períodos de maior estabilidade ao longo do tempo.

Fases da Doença de Alzheimer

A evolução dos sintomas da Doença de Alzheimer pode ser dividida em três fases distintas: leve, moderada e grave. Durante cada uma dessas fases, os sintomas e os desafios enfrentados pelos pacientes e seus cuidadores podem variar significativamente.

Fase leve da Doença de Alzheimer

Na fase leve da Doença de Alzheimer, é comum observar alterações como perda de memória recente, dificuldade para encontrar palavras e desorientação no tempo e no espaço. Além disso, os pacientes podem enfrentar dificuldade para tomar decisões, perda de iniciativa e motivação, bem como sinais de depressão e agressividade. Outros sintomas incluem a diminuição do interesse por atividades e passatempos usuais.

Fase moderada da Doença de Alzheimer

Na fase moderada da Doença de Alzheimer, tornam-se mais evidentes as dificuldades com atividades cotidianas. É comum observar um prejuízo significativo na memória, incluindo esquecimento de fatos importantes e nomes de pessoas próximas. Além disso, os pacientes podem apresentar incapacidade para viver sozinhos, realizar tarefas básicas como cozinhar e cuidar da casa, e até mesmo fazer compras.

Nesta fase, a dependência de outras pessoas se torna mais acentuada, com a necessidade de assistência para a higiene pessoal e autocuidados. A comunicação também é afetada, manifestando-se como uma maior dificuldade para falar e se expressar com clareza. Alterações de comportamento, como agressividade, irritabilidade e inquietação, tornam-se mais frequentes.

Além disso, podem surgir ideias sem sentido, como desconfiança e ciúmes, e até mesmo alucinações, como ver pessoas ou ouvir vozes de indivíduos que não estão presentes. Esses sintomas adicionais podem aumentar o desafio de lidar com a doença tanto para o paciente quanto para seus cuidadores.

Fase grave da Doença de Alzheimer

E já na fase grave da Doença de Alzheimer, tornam-se evidentes prejuízos ainda mais graves na memória. Os pacientes apresentam uma incapacidade quase total de registrar novas informações e uma dificuldade extrema na recuperação de dados antigos. Isso se reflete no reconhecimento de parentes, amigos e locais conhecidos.

Além disso, surgem desafios adicionais, como a dificuldade para se alimentar, muitas vezes associada a problemas de deglutição. A compreensão do que acontece ao redor do paciente torna-se extremamente difícil, assim como a orientação dentro de casa.

Nesta fase avançada, é comum ocorrer incontinência urinária e fecal, adicionando mais complicações ao quadro clínico. Também é observada uma intensificação de comportamentos inadequados, o que pode tornar ainda mais desafiadora a prestação de cuidados ao paciente.

Há tendência de prejuízo motor, que interfere na capacidade de locomoção, sendo necessário auxílio para caminhar. Posteriormente, o paciente pode necessitar de cadeira de rodas ou ficar acamado.

Obs.: essa divisão em fases tem caráter meramente didático e, muitas vezes, sintomas classificados em diferentes fases se mesclam em um mesmo período.
Tratamento:

Os Avanços da Medicina

As pesquisas têm progredido na compreensão dos mecanismos que causam a doença e no desenvolvimento de drogas para o seu tratamento, cujos objetivos são aliviar os sintomas existentes, estabilizando-os ou, ao menos, permitindo que boa parte dos pacientes tenha uma progressão mais lenta da doença, conseguindo manter-se independentes nas atividades da vida diária por mais tempo. Um outro objetivo importante é melhorar a qualidade de vida do paciente. Os avanços da medicina têm permitido que os pacientes tenham uma sobrevida maior e uma qualidade de vida melhor, mesmo na fase grave da doença, porém, não existe cura para a Doença de Alzheimer.

Especialistas podem indicar apoio em cada fase da doença para minimizar problemas, orientar a família, favorecer a superação de perdas e enfrentar o processo de adoecimento, mantendo qualidade de contato e relacionamento. Muitos profissionais cuidam de pessoas com Doença de Alzheimer, incluindo médicos, como neurologistas, geriatras, psiquiatras ou clínicos gerais, além de outros profissionais de saúde, como psicólogos, enfermeiros, terapeutas ocupacionais, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, nutricionistas, educadores, educadores físicos, assistentes sociais e dentistas.

Método Padovan e a Doença de Alzheimer

O Método Padovan desempenha um papel crucial no trabalho de estimulação Neurofuncional, contribuindo significativamente para uma melhor integração sináptica. Por meio da recapitulação das fases do desenvolvimento, o método proporciona ao paciente melhorias nos comandos motores, tanto globais quanto finos, assim como na marcha e no equilíbrio. Além disso, visa aprimorar as Funções Reflexo-vegetativas-orais, incluindo a respiração, sucção, mastigação e deglutição, além da fala e linguagem.

Adicionalmente, o Método Padovan também se concentra no aprimoramento da atenção, concentração e memória do paciente, abordando aspectos essenciais para a qualidade de vida e independência. Ao proporcionar uma abordagem abrangente e integrada, o método visa não apenas mitigar os sintomas, mas também promover o bem-estar geral do indivíduo.

Fontes:
Alheimer’s Disease International – ADI https://www.alz.co.uk/

Associação Brasileira de Alzheimer http://abraz.org.br/web

Federação Médica Brasileira http://portalfmb.org.br/2017/09/21/21-de-setembro-dia-mundial-da-doenca-de-alzheimer/

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

O que esperar em cada fase do desenvolvimento infantil?

O que esperar em cada fase do desenvolvimento infantil?

O que esperar em cada fase do desenvolvimento Infantil?

Essa tabela mostra o que a criança já é capaz de fazer em cada etapa:

Observe que há um desenvolvimento gradativo, no qual as funções vão amadurecendo dos movimentos mais simples e amplos para os movimentos mais complexos e específicos. Esse processo se desenrola ao longo de todo o desenvolvimento da criança, seja no âmbito do andar, do falar ou do pensar.

E o que esperar em cada fase do desenvolvimento infantil? É fundamental manter-se atento ao desenvolvimento de seu filho e, caso perceba qualquer alteração, buscar a orientação de um profissional para auxiliá-lo. Esse diferencial é intrínseco ao profissional que atua levando em conta não apenas o desenvolvimento específico, mas também todas as habilidades neurológicas envolvidas.

Em um atendimento fonoaudiológico baseado no Método Padovan, consideramos todos esses aspectos de forma abrangente. Além de buscarmos melhorias na fala e linguagem, observamos avanços na voz, nas funções respiratórias, de sucção, mastigatórias e de deglutição. Também identificamos melhorias na articulação da fala, na musculatura facial, no equilíbrio, na atenção e concentração, no controle dos esfíncteres, nas habilidades motoras globais e finas, bem como nas habilidades de leitura, escrita e aprendizagem.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

Andador Infantil e o Neurodesenvolvimento: Uma Interferência

Andador Infantil e o Neurodesenvolvimento: Uma Interferência

Andador Infantil e o Neurodesenvolvimento: Uma Interferência

A fonoaudiologia baseada no Método Padovan, ao recapitular todo o processo pelo qual o nosso Sistema Nervoso passa, promove uma reestruturação das sinapses nervosas, o que contribui significativamente para um bom funcionamento de todas as funções.

Contrariamente ao que se imagina, o andador é considerado um grande inimigo no desenvolvimento do Sistema Nervoso infantil.

A falsa ideia de que através dele o bebê consegue dar os primeiros passos faz com que as crianças enfrentem um atraso em seu desenvolvimento.

Isso ocorre porque, para ter um desenvolvimento adequado, a criança precisa passar por todas as etapas do seu desenvolvimento que precedem o andar

Sustentar a cabeça com firmeza no tronco, rolar, rastejar, engatinhar, ficar ereto com firmeza nos membros inferiores para sustentar o próprio corpo, manter o equilíbrio e, finalmente, conseguir andar.

No caso do uso do andador, o bebê realiza todas essas ações: ele sustenta seu próprio corpo, se desloca e obtém um equilíbrio duvidoso. (Andador Infantil e o Neurodesenvolvimento: Uma Interferência)

Por conta de tudo isso, o posicionamento das pernas dos bebês nesses andadores, favorecem negativamente um arqueamento das pernas e no final de tudo, o que geralmente se alcança é um atraso em todo processo de desenvolvimento.

Na matéria a seguir, você terá mais informações sobre como o uso de andadores infantis pode interferir negativamente no desenvolvimento da criança.

Clique Aqui: Pediatras fazem campanha para abolir andadores de bebê

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

 

consequências da respiração oral

As consequências da respiração Oral

Respirador Oral x Respirador Nasal

Quais as consequências da respiração Oral?

A Respiração é uma função muito importante para o corpo. Através dela podemos fazer a troca gasosa vital entre oxigênio e gás carbônico. Fisiologicamente falando, ela deveria ocorrer principalmente através das nossas narinas, já que o ar, quando entra por elas, é umedecido, filtrado e aquecido.

As consequências da respiração oral são inúmeras:

  • Processos alérgicos (como rinite e sinusite), hipertrofia das amídalas, hipertrofia das adenoides, doenças do ouvido (como otites) e apneia do sono podem afetar a saúde em geral.
  • A alteração psico-emocional e de comportamento pode ser confundida com o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, devido a falhas na atenção, impulsividade, hiperatividade, cansaço, desinteresse por esportes e labilidade emocional (mudança de humor: choro, irritação).
  • As alterações estéticas e funcionais incluem características como faces adenoideanas (rosto alongado, dentes incisivos salientes e agrupados, maxila pouco desenvolvida, lábio superior curto, lábios entreabertos, narinas mais elevadas e estreitas, seixos maxilares pouco desenvolvidos, amídalas e adenoides aumentadas), o que resulta em um palato com forma de arco e, consequentemente, desvios das funções de mastigação e deglutição.
  • As alterações posturais incluem postura inadequada, abdômen avolumado e tendência a pés chatos.

O fonoaudiólogo aplica a terapia baseada no Método Padovan, estimulando o paciente com exercícios corporais e reflexo-vegetativos-orais, como respiração, sucção, mastigação e deglutição.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

 

É possível melhorar e até reverter o Autismo.

É possível melhorar e até reverter muitos sintomas do Autismo.

É possível melhorar e até reverter muitos sintomas do Autismo.

Dia 2 de abril é o dia Mundial da Conscientização do Autismo! Comemoramos esse dia com a a alegria e a certeza de estarmos no caminho certo!

Dizem que não se tem cura para a Autismo, mas o que são os inúmeros relatos de mudanças na qualidade de vida de todas essas pessoas que nos procuram?

As mudanças no âmbito familiar e em todo comportamento dessas pessoas? Gratidão e força para continuarmos!

O que é o Autismo?

O Autismo é uma patologia que vem aparecendo cada vez mais em nossas clínicas. O número de autistas no mundo aumentou significativamente nos últimos tempos. Ainda não se sabe o que provoca tal distúrbio.

As Causas

Por muito tempo se falou na relação da quantidade de metais pesados que compõem as vacinas infantis, em especial o mercúrio. Embora algumas pesquisas tenham sido realizadas, até o momento, nenhuma delas conseguiu confirmar completamente essa relação.

Conforme reportagem de O Globo, (http://oglobo.globo.com/sociedade/saude/autismo-comeca-bem-antes-do-nascimento-12000859),pesquisas recentes correlacionam a idade tardia do pai como uma predisposição ao aparecimento da doença em crianças expostas a essas situações.

Não apenas pais e familiares demoram a perceber sinais patológicos nas crianças autistas, mas também profissionais de diversas áreas que lidam com elas.

Pais e responsáveis muitas vezes associam sinais de autismo a traços de personalidade familiares, como timidez ou quietude.

Tratamentos

Contudo, as coisas não são exatamente dessa maneira. Profissionais, como médicos e fonoaudiólogos, que são especialistas em linguagem e com um amplo conhecimento do neurodesenvolvimento, já podem identificar sinais importantes desde os primeiros meses de vida de um bebê.

Observar o contato visual e a interação do bebê com outras pessoas, especialmente pais e familiares, é crucial. À medida que a criança se familiariza, é essencial notar se há troca de gestos faciais, pedidos através de choros e alegria na presença da mãe no mesmo ambiente.

É importante atentar-se para o desenvolvimento da fala e da linguagem, além do desenvolvimento motor, inclusive em movimentos que não deveriam estar presentes (como a estereotipia).

O grau patológico dos indivíduos também varia bastante. Há autistas com um prognóstico bem mais complicado; a fala é praticamente inexistente, a possibilidade de aprendizagem escolar é bem pequena e o convívio social dificultado pela presença de agressões.

Outros tantos apresentam uma inteligência fora de série, além de habilidades artísticas fantásticas, muitos são também verdadeiros gênios.

O que nos alegra e enche de esperança é saber que independentemente do grau patológico, é possível é possível melhorar e até reverter muitos sintomas do Autismo. Quanto mais cedo o processo de reabilitação se iniciar, melhor será o prognóstico.

Os resultados são fascinantes e emocionantes, havendo casos em que psiquiatras que trabalharam multidisciplinarmente conosco atestaram que os sinais patológicos do autismo não mais estavam presentes em determinadas crianças.

Fga. Fabiana Conde Klann

Especialista em Motricidade Orofacial pelo Método Padovan de Reorganização Neurofuncional

(11) 9.7229-8534

(11) 3596-6407

Cérebro - O Motor Nosso Corpo

Cérebro: O Motor do Nosso Corpo

Cérebro – O Motor Nosso Corpo

Assim como toda máquina tem um motor, o Ser Humano também tem um motor sensacional, que comanda todas as funções do no nosso corpo.Esse motor é o nosso cérebro.
O bebê nasce com o sistema nervoso cru e pronto para adquirir qualquer função. O aparecimento e refinamento dessas funções vão ocorrendo com o desenvolvimento da criança. Por isso o tipo de estimulação e as vivências motoras são tão importantes.
A criança precisa ser exposta a um ambiente que lhe proporcione explorar novos desafios motores para estruturar e fortalecer o seu sistema músculo-esquelético . Além disso, a qualidade dos estímulos recebidos, seja ele auditivo, visual, tátil, olfativo e gustativo, devem ser o melhor possível pois quanto melhor for a informação que o sistema receber, melhor será o seu aprendizado e, por consequência a sua resposta motora.
O trabalho com o Método Padovan nos possibilita estimular o Sistema Nervoso Central como um todo, prevenindo, habilitando e reabilitando esse sistema com resultados incríveis!

Fga. Fabiana Conde Klann

Síndrome de Down

Síndrome de Down

No dia internacional da Síndrome de Down (21/03), escolhi um texto bem interessante para compartilhar com vocês. É um texto resumido e esclarecedor escrito pela a autora Maria Helena Varella Bruna, e que fala um pouco sobre a Síndrome de Down.

No dia-a-ida do atendimento clínico fonoaudiológico, nos deparamos com questões que essas crianças/adultos apresentam e que podem ser trabalhadas, trazendo um prognóstico muito positivo. Como o nosso trabalho visa uma estimulação do Sistema Nervoso Central, as evoluções desses pacientes vão além das questões de fala e linguagem.

Sim…. nós temos resultados incríveis com relação à fala e, além disso, alcançamos outros tantos como: melhora no tônus muscular como um todo (postura, marcha, especialmente dos músculos da face (língua); dos músculos que participam da fala e das funções de respiração, sucção, mastigação e deglutição.

Com a estimulação neurológica, da musculatura conseguimos estabelecer a respiração nasal, vedamento labial, controle de esfíncteres, para além de ajudarmos nas questões intelectuais e de aprendizagem!

Fga. Fabiana Conde Klann

Síndrome de Down

Entendendo a Síndrome de Down

A Síndrome de Down, ou trissomia do cromossomo 21, é uma alteração genética causada por um erro na divisão celular durante a divisão embrionária. Os portadores da síndrome, em vez de dois cromossomos no par 21, possuem três. Não se sabe por que isso acontece.

Em alguns casos, pode ocorrer a translocação cromossômica, isto é, o braço longo excedente do 21 liga-se a um outro cromossomo qualquer. Mosaicismo é uma forma rara da síndrome de Down, em que uma das linhagens apresenta 47 cromossomos e a outra é normal.

Alterações provocadas pelo excesso de material genético no cromossomo 21 determinam as características típicas da síndrome:

  • Olhos oblíquos semelhantes aos dos orientais, rosto arredondado, mãos menores com dedos mais curtos, prega palmar única e orelhas pequenas;
  • Hipotonia: diminuição do tônus muscular responsável pela língua protusa, dificuldades motoras, atraso na articulação da fala e, em 50% dos casos, cardiopatias;
  • Comprometimento intelectual e, consequentemente, aprendizagem mais lenta.

Diagnóstico e Acompanhamento Pré e Pós-Natal

Durante a gestação, o ultrassom morfológico fetal (translucência nucal) pode indicar a presença da síndrome, mas os exames de amniocentese e amostra do vilo corial são necessários para confirmá-la. Após o nascimento, o médico diagnostica clinicamente a síndrome de Down através do exame do cariótipo (estudo dos cromossomos), que também auxilia na determinação do risco, geralmente baixo, de recorrência da alteração em outros filhos do casal. Esse risco aumenta quando a mãe tem mais de 40 anos.

Estímulo e Cuidados Especiais

Desde o nascimento, é importante estimular as crianças com síndrome de Down para que possam superar as limitações impostas por essa alteração genética. Como têm necessidades específicas de saúde e aprendizagem, exigem assistência profissional multidisciplinar e atenção permanente dos pais.

Intervenção Fonoaudiológica e Inclusão Social

A intervenção fonoaudiológica pelo Método Padovan é muito importante nesse processo de reabilitação. O objetivo deve ser sempre habilitá-las para o convívio e a participação social. Essa é a forma mais eficaz de promover o desenvolvimento dos potenciais da criança com síndrome de Down. Empenhe-se nessa tarefa, mas procure levar a vida normalmente. Como todas as outras, essa criança precisa fundamentalmente de carinho, alimentação adequada, cuidados com a saúde e um ambiente acolhedor.

Sobre a autora:

Maria Helena Varella Bruna é redatora e revisora, trabalha desde o início do Site Drauzio Varella, ainda nos anos 1990. Escreve sobre doenças e sintomas, além de atualizar os conteúdos do Portal conforme as constantes novidades do universo de ciência e saúde.

https://fonoaudiologafabiana.com.br/blog-metodo-padovan/

 

A Importância da Sucção

A Importância da boa Sucção

Importância da boa Sucção

Inúmeras são as discussões acerca da amamentação no seio materno e a importância de uma boa sucção. Nos dias de hoje muitas mulheres, ou por falta de tempo, comodidade ou medo da estética, optam pelo tal complemento à amamentação. As fórmulas estão cada vez mais em moda e entram na alimentação do recém-nascido cada vez mais cedo. Sim, algumas mulheres acham que o leite é fraco e insuficiente para a alimentação plena de seu filho. Outras sentem-se extasiadas com o tempo que a amamentação demanda e delegam tal função à outra pessoa. Há também as mulheres que, por conta do trabalho, não conseguem suprir todas as suas tarefas e solicitam ajuda à outros abrindo mão do aleitamento materno. Vamos esclarecer algumas dúvidas:

O leite materno é a forma mais importante de alimentação até pelo menos os seis meses de vida de um bebê. Ele contém vitaminas, anticorpos e nutrientes que a criança precisa para o seu desenvolvimento.

Além disso, há um trabalho ósseo-muscular muito importante que prepara e fortalece essas estruturas. No futuro, será a boa sucção que irá proporcionar um desenvolvimento adequado das arcadas dentárias, bem como de todos os órgãos e estruturas que participam da respiração, sucção, mastigação e deglutição. Será fundamental para a preparação de todas as estruturas orofaciais participantes da fala e uma boa comunicação.

A relação de carinho entre mãe e bebê aqui também é fundamental e já é possível perceber comportamentos muito importantes do bebê nesse contato. Por isso mamãe aproveite…. Esse momento é único…. É só seu!!!

Fga. Fabiana A. P. Conde Klann

CHUPETA: Usar ou não usar?

CHUPETA: Usar ou não usar? Eis a questão!!

CHUPETA: Usar ou não usar?

Muito se fala sobre a CHUPETA: Usar ou não usar? Há bebês que fazem uso da mesma desde o seu nascimento, em uma intensidade que a chupeta parece ser parte do corpo da criança. O fato é que ao se optar pela mesma, deve-se observar os sinais que o bebê apresenta.

Assim que ela é colocada para fora da boca esse é um grande sinal de que a necessidade de sucção foi saciada. É muito comum que o adulto volte a colocá-la na boca da criança novamente…. E aí se instala o mal hábito oral e com ele o possível aparecimento de alterações na oclusão dentária, na respiração, mastigação, deglutição e por consequência na produção da fala.

Alguns estudos apontam que o uso da mesma diminui a ocorrência de morte súbita em bebês, porém é importante atentar-se para não haver exageros…. O uso de cordões e prendedores, por exemplo, é um dos grandes agravantes dessa história, já que assim o bebê pode ter acesso a ela a qualquer instante. As pessoas acreditam que a chupeta acalme o bebê, porém um abraço, carinho e aconchego podem muito bem substituí-la.

Ahhhh e se não houver outra saída recomenda-se o uso das ortodônticas e no máximo até os dois anos de idade.

Fga. Fabiana Conde Klann

PLANOS DE SAÚDE DEVEM CUSTEAR SESSÕES MÉTODO PADOVAN

PLANOS DE SAÚDE E O MÉTODO PADOVAN

PLANOS DE SAÚDE E O MÉTODO PADOVAN:

Os pacientes e familiares estão conseguindo garantir os seus direitos!

De acordo com o diagnóstico médico, muitas famílias estão conseguindo através de decisões judiciais, garantir que os planos de saúde custeiem sessões de fonoaudiologia ilimitada à seus beneficiários, incluindo as terapias por métodos como o Padovan.

Segue postagem do Dr. Elton Fernandes – Advogado Especialista em Saúde.

https://www.eltonfernandes.com.br/plano-de-saude-deve-custear-sessao-de-fonoaudiologia-pelo-metodo-padovan

Beatriz Padovan curiosidade vontade ajudar

Beatriz Padovan: Da curiosidade à vontade de ajudar

Nesta entrevista, a autora do Método Padovan, a fonoaudióloga Beatriz Padovan, nos conta um pouco da história de sua caminhada e como criou o Método.

Gratidão à minha mestra desde a infância, por poder ser um de seus “tentáculos”.

Para ler a entrevista, clique aqui.

Fga. Fabiana Conde Klann

https://fonoaudiologafabiana.com.br/metodo-padovan/

Método Padovan melhora a qualidade de vida dos recém-nascidos.

Método Padovan melhora a qualidade de vida dos recém-nascidos.

Método Padovan melhora a qualidade de vida dos recém-nascidos.

O Método Padovan, criando pela Fonoaudióloga Beatriz Padovan, me encanta desde 1986. Me transformou como pessoa e como fonoaudióloga.

É incrível ter como ferramenta de trabalho o que a própria natureza preparou para o desenvolvimento do Ser Humano!!!!! Embora possa parecer simples à primeira vista, na realidade é surpreendentemente complexo.

Parece uma simples brincadeira, especialmente para as crianças, no entanto, é algo profundamente impactante. Ao longo de muitos anos, tem sido um agente transformador na vida de bebês, crianças, adolescentes, adultos e idosos. Este método aborda uma variedade de patologias, proporcionando não apenas alívio, mas também melhorias significativas na qualidade de vida. Os resultados extraordinários frequentemente relatados pelos familiares testemunham a eficácia deste método, consolidando-os como nossos parceiros nessa jornada de cuidado e cura.

Muito orgulho de fazer parte dessa equipe! Muito orgulho da profissão que escolhi e por ter em minha classe de trabalho a amiga e parceira de trabalho, Beatriz Padovan! Minha eterna gratidão!!!! Viva a fonoaudiologia!!!!!!

Segue abaixo o link com a matéria exibida no programa Bem Estar da Rede Globo, falando sobre como o Método Padovan melhora a qualidade de vida dos recém-nascidos.

Clique aqui para assistir a matéria sobre o Método Padovan exibida no programa Bem Estar da Rede Globo

https://fonoaudiologafabiana.com.br/fonoaudiologa-metodo-padovan-fabiana-conde-klann/

Já trabalhava nas clínicas de Beatriz Padovan. Iniciei a especialização e me tornei especialista em Motricidade Orofacial pela Pró-Sinapse – Método Padovan de Reorganização Neurofuncional.

Reforço, recomendo e tenho a certeza de que o método é extraordinário por todos os relatos de pais/responsáveis e por vivenciar a evolução de cada paciente que chega para os meus cuidados. Sigo confiante e realizada nessa missão.

 

Fala Alterações Fonemas Infância

Alterações na Fala – Interferência na Escrita

Alterações Fala Interferência Escrita

A fala é o instrumento de comunicação oral utilizado por cada indivíduo. Ela é composta por unidades sonoras, chamadas FONEMAS. O conjunto de fonemas, organizado de acordo com as normas estabelecidas em cada idioma, desempenha um papel fundamental na facilitação da fala e na compreensão mútua.

A fim de alcançar uma fala eficaz, é imprescindível dominar o uso dos órgãos que originalmente desempenham outras funções, como respiração, sucção, mastigação e deglutição. Em outras palavras, para alcançar uma comunicação oral precisa e clara, é essencial que os órgãos envolvidos, como a boca, o nariz, os lábios, a língua, os dentes e as cavidades oral e nasal, estejam em perfeito estado de funcionamento.

Se uma das funções citadas acima estiver inadequada, muito provavelmente também haverá alteração na fala. Na infância, o que pode interferir diretamente na aquisição da fala com produção correta, pode ser:

Chupar o dedo e chupeta;
Usar bico inadequado de mamadeira;
Alteração em algum órgão oral ou nasal;
Alterações auditivas;
Produção incorreta de palavras ditas às crianças.

Assim, é sempre importante estar atento à criança e em qualquer sinal de alteração (Alterações Fala Interferência Escrita), procurar um profissional habilitado. Lembrando que, além de muitas vezes incomodar sonoramente, essa dificuldade pode futuramente interferir na escrita.

Fga. Fabiana Conde Klann

O Desfralde - Um assunto que gera muitas dúvidas.

O Desfralde – Um assunto que gera muitas dúvidas.

O Desfralde é um assunto que gera muitas dúvidas. Muitas mães se questionam e não sabem o momento exato de fazê-lo. O fato é que quem mostra a hora certa é a própria criança. É preciso estar sempre atento aos sinais.

Geralmente o desfralde vesical diurno ocorre primeiro que o noturno e o anal noturno primeiro que o diurno. Entre 1 ano e meio e 2 anos de vida pode -se começar a verificar se a fralda está seca ao acordar, por exemplo.

Permitir que a criança tenha fácil acesso a um penico ou vaso com redutor facilita a procura da criança pelo local correto. Há adeptos do penico, já que ele pode ser levado a qualquer lugar, sem causar estranhamento e medo por parte da criança.

Outras pessoas preferem usar diretamente o vaso com redutor, para que haja uma adaptação direta ao local que a criança deverá fazer as suas necessidades ao longo da vida. Há quem faça o uso dos dois… Já pensou o quanto é útil ter um penico como um acesso fácil em uma viagem? Mas o que quero destacar aqui é o que fazer para ajudar a criança a alcançar esse controle. Cadeiras, bancos, carrinhos, chiqueiros e colo (em demasia) são grandes inimigos dessa história toda… Aliás, esses itens são inimigos para o desenvolvimento motor como um todo.

A criança precisa de chão… Sim, contato com o chão, mesmo que seja forrado com piso emborrachado, tapete ou edredom. Não existe nada mais estimulador do que ela desbravar o que está ao seu redor. Brincar de cócoras é outra ação que se deve estimular ao máximo…. Você já parou para pensar e observar em que posição as crianças indígenas brincam? E em que posição as índias trabalham? Pois bem essa posição fortalece a musculatura abdominal e ajuda substancialmente o controle esfincteriano. Chão para as crianças… Elas irão adorar!

Fga. Fabiana Conde Klann